Festival do Licor em Cachoeira, na Bahia

Vai um licorzinho aí? Se a sua resposta for sim, você está convidado(a) para participar de 1 a 25 de junho, do 1º Festival do Licor da cidade de Cachoeira, no Recôncavo Baiano.

De acordo com os organizadores, “o primeiro festival do Brasil voltado para essa bebida não poderia acontecer em outro local, uma vez que Cachoeira é conhecida como pólo licoreiro, com sua fabricação exportada até para fora do país“.

Para você que mora na região, ou está passando por aí, está é uma boa pedida. A bebida feita de frutas e outros ingredientes como jenipapo, maracujá, tamarindo, jabuticaba, graviola, tangerina, capuaçú, gengibre, limão, chocolate, passas, cajá, laranja, milho verde, açaí e amendoim, por exemplo, misturados com cachaça ou álcool específico e açúcar (fica pronto após vários dias na fusão), a cada temporada ganha novos sabores. Os meus preferidos são… jenipapo e tamarindo. Embora, existam alguns que ainda não experimentei. Segundo os produtores, em Cachoeira as variedades passam de 30.

Alguns fabricantes armazenam a bebida em barris como estes de 1000 litros

Com uma produção secular e totalmente artesanal, o licor de cachoeirano busca também seu reconhecimento de procedência. Para isso, foi criado um projeto visando a conquista do Selo de Qualidade da marca. Outra ideia, é torná-la Patrimônio Imaterial da Bahia.

O período junino, é tradicionalmente conhecido como a épóca do Forró em todo Nordeste brasileiro, em homenagem a Santo Antônio, São João e São Pedro. Não sendo diferente na Bahia, que tem Cachoeira como uma das mais requisitadas do estado. Com sua famosa Feira do Porto, atrai turistas e consumidores de várias partes do país para degustarem os sabores típicos da época, regados com muito ‘arrasta pé’.

O Festival

Foto oficial do festiva

O evento é uma conquista do povo da cidade, especialmente dos fabricantes da bebida, após alguns anos de tentativas. No total 10 fabricos terão seus produtos avaliados e votados pelo público durante o período. E os grandes vencedores serão conhecidos no dia 25.

Por serem os mais tradicionais da cidade, os produtores Roque Pinto e Arraiá do Quiabo, não concorrerão ao título. Mas não ficarão de fora do festa. Ao contrário, eles são os patrocinadores que garantirão a premiação aos vencedores.

A votação será para duas categorias: o Licor Tradicional, sabor jenipapo e o Melhor de 2019 sabores diversos. O público escolherá através de sédulas e pela internet.

Esse é um dos kits que o público comprará para ter direito ao voto

Para ter direito a votação, é necessário comprar um kit ‘menu de degustação‘ com cerca de 10 unidades (garrafinhas) do produto, vendido em diferentes pontos da cidade, ou no site do festival. Na compra, o cliente recebe uma cédula para registrar o voto. O vencedor de cada categoria, receberá o prêmio de R$1.000,00 respectivamente.

A Cidade
Cravada no Vale do Paraguaçu, a cidade está à margem do Rio, tendo a Ponte D Pedro II para travessia das pessoas, veículos e trens de cargas

Com aproximadamente 40 mil habitantes (IBGE-2018), distante cerca de 120 km de Salvador, Cachoeira fica à margem do Rio Paraguaçu, vizinhando na outra margem com a cidade de São Félix. Onde a histórica Ponte D Pedro II com 365m de comprimento, faz o elo de ligação entre as duas.

Uma das principais características do cachoeirano, é preservar sua identidade cultural e histórica, mantendo viva as tradições de suas origens. Entre elas, igrejas, casas e museus, em construção barroco, sendo conhecida como Cidade Monumento Nacional. A diversidade religiosa também é um marco efervescente de sua gente, com apelo muito forte para o catolicismo e o candomblé.

Sua população é uma miscigenação de africanos e europeus. Com predominância dos negros descendentes de escravos. Alguns de seus filhos ilustres são… Ana Neri (enfermeira na Guerra do Paraguai), Edson Gomes (cantor e compositor), Ernesto Simões Filho (fundador do Jornal A Tarde).

Por conta de sua participação em lutas, como da Independência do Brasil e da Bahia, respectivamente, Cachoeira é considerada a segunda capital do estado, conforme a Lei Estadual nº 10.695/07. A partir daí,todos os anos, no dia 25 junho, o governo estadual é transferido para a cidade.

*Créditos das Fotos: Insta do Festival

Deixe Seu Comentário (digite abaixo)

%d blogueiros gostam disto: