Ele teve prejuízo de milhões e hoje é um empreendedor de sucesso

Brasileiro, negro, chefe de família, empreendedor bem sucedido, 62 anos, sorriso no rosto, determinado, focado e, principalmente, confiante em si próprio e nas oportunidades que vislumbra em seu país. Esse é o mineiro Geraldo Rufino.

Sua história de vida profissional, começa aos 8 anos de idade, como ensacador de carvão. Aos 9, foi catar latinhas no lixão, na zona oeste da cidade de São Paulo, “o lixo antigamente era muito mais rico. Jogava-se muita coisa [boa] no lixo. Eu ia no lixão, juntava as coisas recicláveis e vendia para um depósito. Ganhava muito dinheiro. Pegava esse dinheiro colocava numa latinha e enterrava num terreno próximo.”, costuma contar com orgulho. De lá também, retirava alguns produtos para se alimentar.

Porém, para tristeza daquele menino, um dia ao retornar da escola, viu todo seu dinheiro desaparecer, “um belo dia, cheguei da escola e tinham vendido o terreno. Haviam máquinas limpando tudo e levou o meu dinheiro. Eu quebrei pela primeira vez.”

Determinado, Geraldo teve outra ideia, pediu autorização à prefeitura e junto com os irmãos construíram um campo de futebol em outro terreno “nós fizemos um campo de futebol oficial, compramos as traves, mandamos a costureira fazer dois jogos de camisas e a gente cobrava pra jogar”.

Geraldo, seu pai e o irmão

Com novo empreendimento, o garoto esperto voltou a ter dinheiro. Mas, ao ver seu pai com dificuldade financeira, resolveu ajudá-lo. E novamente ficou sem grana.

Depois disso, montou uma frota de carrinhos de madeira e alugava para outros meninos carregarem feira. Em seguida foi trabalhar como office boy no Play Center. Juntou dinheiro e comprou uma combi para o irmão trabalhar. Posteriormente, montou outra frota com cinco caminhões (dessa vez de verdade) e em um determinado dia, todos os condutores se envolveram em acidentes. Sofreu novo prejuízo.

Já mais adulto, fez parceria com um grupo estrangeiro que o deixou na mão. Aí, segundo ele, foi o ápice dos prejuízos “fiz parceria com estrangeiros, eles resolveram ir embora, me deixando na mão. Errei na estratégia, quebrei pela quarta vez. Só que dessa vez, a conta era maior. Eu diria uns R$16 milhões.

A ajuda da mãe para o homem de hoje

Apesar de todos os revés sofridos, Geraldo Rufino diz nunca ter perdido seu otimismo e credita toda essa sua personalidade, às palavras positivas que ouvia de sua mãe. Quando ele ainda criança, ela dizia que ele era capaz e era um negro bonito. “Eu acreditava em minha mãe”, conta, sorrindo.

Hoje é um empreendedor de sucesso. Fundador e CEO da JR Diesel, empresa de reciclagem automotiva, com centenas de colaboradores e que chega a faturar, cerca de R$50 milhões ao ano. Tem a humildade e positividade, como ferramentas para encarar os desafios e seguir sua trajetória “se por um acaso acontecer outra pedra no caminho, ela vai me servir de degrau. Eu vou crescer de novo, fazendo outra coisa.”

Com muito orgulho e sempre sorrindo, Geraldo fala abertamente aos canais de mídias, sobre sua trajetória de vida. E para ajudar outras pessoas a acreditarem e investirem em seus sonhos, ele resolveu escrever livros como (O Poder da Positividade e O Catador de Sonhos) e ministra palestras corporativas. Além disso, está presente nas redes sociais compartilhando mensagens de otimismos com os seus seguidores.

Palavra de Otimismo

*Crédito das Fotos: @geraldoarufino

Deixe um Comentário (digite abaixo)

%d blogueiros gostam disto: